domingo, 16 de fevereiro de 2014

Saraiva

No Reino Granizo...



A Princesa Granizo estava apavorada, seu reino corria sério perigo, aquele príncipe não poderia com ela casar. Diferentes temperaturas não a deixaria segura. Para ela amar era sinônimo de perigo.
Granizo enamorou-se do Calor, ele derretia seu coração. Suava frio, arrepios percorriam seu corpo. Transpirava tão frio que de amor se condensava.
Ele chegava aquecendo tudo, ela evaporava. Queria entregar-se àquele amor radiante, escaldante.
E como um enorme balde de pedras de gelo, ela deu-se conta de que vivia um pesadelo.
Amava o Calor, gostava de observa-lo ao longe. Mas desejava mesmo tocá-lo.
Granizo precipitou-se em velocidade assustadora, atingindo o solo inconformada, as pedras faziam da paisagem antes colorida, uma tarde sombria e prendia todos em casa. As pessoas temiam serem atingidas, outras foram parar no hospital com dores onde foram acertadas pelas pedradas. Até quem estava dentro de casa, dela quase não escapava.
Para piorar a situação, seu amigo Tornado veio amargurar ainda mais seu coração. Lhe disse que ela jamais poderia viver um amor que somente lhe destruiria, ao tocá-lo aconteceria a fusão e seu pobre coração passaria de um estado para o outro sem nem sentir o gosto do beijo tão esperado. Fatal seria o toque de seu amado.
Para reanimá-la, sugeriu que ficassem juntos já que a corrente de ar ascendente logo o traria para arrasar a cidade e tudo que no seu caminho ficasse.
Foi naquele instante que Granizo deu-se conta de que nunca poderia chegar perto do Calor, seu louco amor. Uma vez que se continuasse a cair com tanta força logo Tornado entraria em cena. Mas tudo que as pessoas estavam desejando era que o mau tempo logo fosse embora, para que os raios quentes do Sol atingisse a terra e tudo voltasse ao normal; depois do temporal o Calor enxugaria tudo, aqueceria as vidas e traria novas esperanças, apagaria lembranças ruins.
Se o Calor a tocasse, ela estaria em desgraça: aconteceria a fusão e jamais desfrutaria da companhia de seu  nada possível  futuro esposo. Amado de seu petrificado coração. Com o qual jamais compartilharia dias de plena frieza e escuridão.
O tempo ficou claro e quente, a vida seguia... E no Reino Granizo tudo continuava cinzento, esquisito.
A bela princesa de corpo em camadas espessas, translúcidas e opacas alternadas de outras finas camadas brancas perdeu as esperanças de nos braços do Calor chamegar. No entanto, continuava o amando. Em seu coração o encanto não se perdeu e algum dia (sabe Deus!) tudo há de se ajeitar.


<Império dos Sonhos>



4 comentários:

  1. Menina, você é boa contista, se acertasse uma pedra na minha cabeça você ia ver .Hein!.
    Aqui tá chovendo chuva e amor. mistura-se tudo embaixo do chuveiro e viva o amor
    Beijão fofinha
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  2. Oi tia Vall,
    Nós crianças peraltas viemos agradecer seu mimo
    Beijinhos
    Mundo dos Inocentes

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Vall
    O tempo clareando tudo se resolve... a vida segue seu curso...
    Bjm fraterno

    ResponderExcluir